COMO TRANSFERIR A IMAGEM PARA O PAPEL

DSC04321

MÉTODO DE AMPLIAÇÃO POR GRADE

Método de Redimensionamento por Grade (*)

Pré-história

grad1i

Os artistas têm utilizado auxílio mecânico durante séculos. Nos séculos 15 e 16, por exemplo, um mestre poderia desenhar no papel seu projeto completo para um afresco, depois seus assistentes transfeririam uma parte daquele projeto para o gesso umedecido o suficiente para um dia de trabalho. Eles o fizeram fazendo furos ao longo das linhas do desenho, segurando o papel sobre a superfície de gesso e depois “decalcando” (com batidas) as linhas com sacos de musselina com fuligem ou carvão mineral. O artista poderia posteriormente continuar seu trabalho auxiliado por uma representação de seu desenho na forma de pontos escuros próximos um dos outros.

grad1i Método de Ampliação por Grade

Albrecht Dürer, famoso por seus desenhos magníficos, utilizava várias “engenhocas de desenho” para estudar perspectiva e obter escorços convincentes.

images

Técnica de Ampliação Método de Ampliação por Grade
Utilizando esta máquina, observando de um ponto fixo, ele poderia ver através de uma grade de barbante e transferir o que via para a superfície de desenho, que continha uma grade similar.

Substitua um objeto tridimensional por um esboço bidimensional ou por uma fotografia e você verá que Dürer utilizava um precursor do agora comum método da grade de ampliação (ou redução).

Você pode ter ouvido a insinuação de que o uso de quaisquer artifícios como esse de alguma maneira reduz a “arte”. Eu discordo veementemente disso. Dürer se utilizava de uma câmera para converter formas tridimensionais em bidimensionais, mais manipuláveis. Ele o faria.

Walter Sickert (1896-1948), que em seus últimos anos de vida baseou muito do seu trabalho em fotografias, respondeu a seus críticos que a única prova para qualquer artista era o produto acabado, não importando por quais etapas preparatórias ele passou.

Planejamento do projeto – Falhar em se preparar é preparar-se para falhar

Há tantas alterações que você pode fazer no desenho antes de resultados desastrosos que é preferível aprimorar o estudo durante as etapas iniciais. Estou assumindo que você começou (assim como eu) por um pequeno e manipulável desenho linear. É nessa etapa que a maior parte das mudanças e das decisões é feita, que a composição é decidida e que as áreas problemáticas são encontradas e solucionadas. Se você estiver baseando seu desenho em uma fotografia, você pode ser tentado a aumentá-la e transferi-la para a o papel numa única etapa, mas gostaria de não aconselhar esse procedimento – você igualmente transferirá potenciais problemas que ocorrem naturalmente na foto e arruinará ou distorcerá o desenho acabado. A retirada do fundo, por exemplo, pode fazer aparecer linhas confusas (espontâneas) atravessando o desenho que perturbam seu equilíbrio. Utilizar a etapa intermediária acima descrita permitirá a correção de erros ópticos e criará um novo equilíbrio artificial que trará harmonia e agradabilidade.

grad4n

grad4n Método de Ampliação por Grade

Então, você está contente com o resultado e agora necessita ampliar seu desenho linear e transferi-lo para a superfície de desenho definitiva – veja como…

Método da grade de redimensionamento

Quando fizer ampliações de um esboço, você pode traçar suavemente uma grade de linhas regulares diretamente no esboço ou (como com fotografias) pode utilizar uma caneta de ponta fina apropriada para desenhar as grades sobre uma folha de acetato. O método com o acetato é preferível já que você terá grades permanentes e sempre a mão para todas as ocasiões. Quanto menores forem as quadrículas, mais precisa sua reprodução ficará. Conclui que uma grade com quadrículas de ½ polegada (aproximadamente 1 cm) foi bastante adequada para uma fotografia de 6” x 4” (aproximadamente 15 cm x 10 cm).

Mas pensei que o Mike desaconselhou utilizar uma única fotografia diretamente como ponto de partida? Verdade – Mas você pode aumenta-la duas vezes! Primeiro transforme a fotografia em um desenho linear maior (mas manipulável) e depois o amplie para o tamanho final desejado. Por quê? O desenho linear proporciona várias vantagens. Ele lhe dá a oportunidade de efetuar alterações. Se, por exemplo, você estiver desenhando um cão, este é o momento ideal para incorporar alterações de expressão, para abrir ou fechar a boca ou para deslocar aquela língua desajeitada. Isso também permite remover todo o sombreamento tridimensional, o que torna muito mais fácil aplicar a iluminação como você desejar. E, acima de tudo, aumenta consideravelmente sua compreensão por deixá-lo em contato com a figura propriamente dita e não apenas com sua representação fotográfica. Ok, o sermão acabou! Vamos para a aula…

1.Coloque a folha de acetato (com a grade para baixo) sobre o desenho ou fotografia e conte o número de todas as quadrículas que cobrem toda a área do desenho ou fotografia.

2.Pegue a folha de papel, meça a parte de cima e a divida em tantas divisões quanto o número de quadrículas que você obteve. Proceda da mesma maneira para a altura. Agora ligue as marcações para fazer a grade de quadrículas, que automaticamente ampliará o desenho ou fotografia para as dimensões corretas.

grad5

Coloque o acetato sobre o esboço

.

grad6

grad6 Método de Ampliação por Grade

Desenhe suavemente uma grade similar no papel e depois copie uma quadrícula por vez.

Método da Grade Avançado

Etapa 1

Esta é uma variação avançada do método mostrado anteriormente e possui algumas principais vantagens – nenhuma grade é desenhada no papel, as linhas-guias são fáceis de apagar e a transferência imediata e precisa para as linhas-guias é possível mesmo após elas terem sido apagadas.

1.Meça o papel como foi feito acima e calcule o tamanho das quadrículas necessárias, mas não desenhe a grade. Em vez disso, pegue uma folha de cartão branco do mesmo tamanho do desenho e trace sobre ele as grades com tinta preta.

2.Por cima desse cartão, fixe uma folha de papel vegetal (aquele usado por arquitetos, ou use qualquer papel resistente e semitransparente) cobrindo as grades.

3.Coloque sua grade traçada no acetato sobre o esboço ou a foto e faça a cópia, quadrícula por quadrícula, sobre o papel vegetal. Certifique-se de manter a sua mão fora da superfície – repousando-a sobre um canto do papel – já que a umidade da sua mão rapidamente fará que o papel vegetal se curve e enrugue. Você precisa garantir que ele permaneça plano.

Etapa 2

1.Fixe o papel de desenho na mesa ou prancheta da maneira habitual e em seguida coloque o papel vegetal contendo seu esboço ampliado por cima, posicionando-o cuidadosamente até ficar na posição correta.

2.Prenda o papel vegetal com fita em todo o lado superior – de preferência ao papel de desenho, pois assim nenhum dos dois poderá se mover de maneira independente.

3.Pegue uma segunda folha de papel vegetal (aproximadamente de 11” x 8” (28 cm x 20 cm) é adequado para mim) e cubra completamente seu lado áspero com grafite 6B. Não seja mão-de-vaca – você está fazendo um “papel- carbono” de grafite.

Mantenha seu “papel-carbono” em uma pasta de arquivo e o terá pronto para uso sempre que necessário – apenas renove o 6B de tempos em tempos.

Etapa 3

Usando “papel-carbono” de grafite

Para finalizar o método avançado, coloque o papel-carbono por baixo do papel vegetal e (com a mão repousada sobre um pedaço de cartão), redesenhe cada linha. Eu utilizei uma agulha de costura dentro de uma lapiseira para essa finalidade, mas um lápis de grafite duro executará a tarefa. Você pode remover com segurança o papel-carbono a qualquer momento e conferir o andamento, pois a folha com o desenho linear que está em cima (se seguramente você o deixou fixado com fita no lugar) sempre retornará com precisão à mesma posição. Na verdade, neste método de trabalho há muito a se elogiar…

• As linhas-guias não adentram nas depressões do papel e podem ser removidas completamente com Blu-Tack/Massa adesiva ou com borracha maleável. Você pode cobrir uma área de tom uniforme por cima de qualquer área apagada com a certeza de saber que nenhuma linha indesejada aparecerá para assombrá-lo.

• Como o papel vegetal é articulável na parte superior do desenho, ele pode ser basculado em qualquer etapa do desenho para conferir sua precisão (especialmente útil caso a correção de um erro apagou as linhas-guias originais!). Quando você perder o seu caminho, este é o “mapa” que o fará voltar ao curso.

Ao trabalhar com este método, o meu hábito era apagar as linhas-guias na área em que eu estava prestes a trabalhar, até que ficou faltando apenas uma mera sombra (rolando massa adesiva sobre ela) – se você precisar das linhas-guias depois, abaixe o desenho linear já refeito.

E, por fim não seja escravo das linhas-guias… na melhor das hipóteses elas proporcionam um posicionamento preciso, na pior das hipóteses elas estão simplesmente erradas – você desenha o que parece correto, não o que as fotos sugerem que se pareça.

(*) Tradução do tutorial realizado por Mike Sibley.

Para visualizar esse artigo diretamente no site de Mike Sibley, Clique aqui: http://www.sibleyfineart.com/tutorial–gridding-art.htm

TÉCNICA DE PINCEL SECO

Técnica muito parecida com a de desenho com grafite, a pintura do pincel seco ou Drybrush, é descrita pelo artista plastico Igor Kazarin, como sendo uma tecnica moderna do seculo XX, e com efeito agradavel da tecnica de percepção do desenho. A sua experiencia são de 20 anos em retratos e tem como média de 4 a 6 horas de tempo de execução de cada trabalho. Para quem deseja começar a se aventurar nesta nova técnica, ele diz que quem já tem habilidade com o grafite terá menos dificuldade em aprender o ‘Pincel Seco’. Dados da tecnica:

  • Nome: Drybrush
  • Origem: Moscou, Russia
  • Data: meados do século 20
  • Tema: Retrato
  • Pré-requisito: noções de desenho de retrato e técnicas secas.

Material para tecnica pincel seco:

  • tinta a óleo cor preta;
  • óleo de maquina de costura (lubrificante interno);
  • pincéis de cerdas sintéticas;
  • tela ou papel Fabriano;
  • lápis HB para esboço;
  • borracha.

Modo de pintar: Realize com lapis HB o esboço do retatro com base de uma foto, depois prepare a sua paleta: “…em uma paleta de qualquer tinta de óleo preta é espremido uma pequena quantidade de tinta, se desejar pode adicionar umas duas ou três gostas de óleo de maquina como solvente. O segredo está em molhar o pincel na tinta o menos possível, e esfrega-lo bastante na paleta antes de ir para o papel, de forma que o pincel esteja bem seco e homogêneo.

 

“DESENHANDO O CORPO HUMANO”

Como desenhar o Corpo Humano:

Se você já tem alguma noção de como desenhar a figura humana, estas dicas vão ajudá-lo a aperfeiçoar o seu desenho. Mesmo aquele que nunca praticou poderá obter bons resultados com as orientações seguintes:

1. Comece pelo esqueleto simplificado
O esqueleto humano é uma ótima base para o desenho da figura. Porém, seu traçado é extremamente complexo, por isso, desenvolvemos um esqueleto bastante simplificado – denominado Axis – que vai servir de base para o desenho do corpo.
Para entender melhor e treinar o Axis, pegue algumas fotos de pessoas, de preferência em movimento e em várias posições e tente desenhar os esqueletos simplificados, como nos exemplos da figura 1. Neste primeiro momento, evite posições complexas.

8kn2v8f28n30n57_defaultDepois de praticar sobre as fotos, ij581612ov280l0_defaulttente desenhar os Axis sozinhos numa folha de papel. Se sentir muita dificuldade para definir as proporções dos Axis, use papel manteiga para copiar os Axis desenhados sobre as fotos (figura 2)

2. Desenhe os Blocos
O passo seguinte é fazer a estrutura do corpo, aplicando um sistema de “Blocos”. Os Blocos são feitos com linhas retas e com círculos nas articulações. Nesta etapa, a figura lembra um “boneco articulado” de madeira. Este sistema é importante, porque ajuda a definir as proporções do corpo de acordo com o Axis. Esses esboços devem ser feitos com linhas suaves e claras (figura 3).

contornos do corpo
Olhando novamente as fotografias dos modelos, desenhe os contornos do corpo, observando as entrâncias e as saliências que se formam conforme o movimento da figura. Desenho Corpo Humano prop01 proporcao_mulherDesenho animado: dica de desenhoDesenhando o corpo   Desenhando o corpo Desenhando o corpo

Desenho luz e sombra

Desenho de Luz e Sombra

O desenho de luz e sombra não é algo difícil. Esta técnica básica do desenho pode ser entendida em poucos minutos e com a prática você vai entender o conceito de estrutura da luz e sombra, utilizar este conceito em seus desenhos e, desta maneira, melhorar muito o seu trabalho.

Neste vídeo temos uma aula de desenho com o tema luz e sombra Aproveite a aula e leia nossas dicas de desenho nos links ao lado.

Personagens animados aprenda passo a passo

Aprendendo a desenhar: dica de desenho 3

Dica de desenho 3: aprendendo a desenhar

Depois que você entendeu a estrutura  da figura clássica, idealizada, o próximo passo, é saber que existem  diferentes  tipos físicos. Gente de todas as idades, pessoas gordas,  magras, altas, baixas, fracas e fortes; algumas têm mãos maiores,  narizes maiores, caras arredondadas, rostos finos… Por isso, cada um  deles guarda suas próprias regras de estruturação. Além disso, o bom  desenhista precisar imprimir personalidade às figuras humanas sejam elas  super-heróis, grotescos ou pessoas comuns. A estruturação é uma  ferramenta muito preciosa que não deverá ser negligenciada.
No  universo dos super-heróis também existem aqueles que chamamos de grotescos, cuja anatomia desvia-se do  padrão de idealização (perfeição) dos super-heróis; o Coisa (do Quarteto  Fantástico), o Hulk e o Fera (dos X-Men) são apenas alguns exemplos.  Estas figuras são deformações da  anatomia realista, mas mesmo elas obedecem às suas próprias leis dentro  da estrutura de proporção. Vamos falar um pouco disso mais adiante.
As  formas geométricas simples são  ferramentas poderosas na fase básica da construção das figuras,  principalmente para que você consiga manter as proporções características do personagem, auxiliando nos  exageros e nas deformações das figuras. Costuma-se pensar que este  recurso é usado apenas na  estruturação das figuras consideradas estilizadas,  mas não é verdade. Este recurso de estruturação é muito valioso seja  qual for o estilo de desenho que você, como artista, deseja utilizar.
Em  alguns casos, estas formas geométricas  simples são colocadas sobre  o Jeremias, depois que já foram definidas as posturas básicas e a  dinâmica de movimento dos personagens, para que os movimentos permitidos  pelas formas correspondam ao que se espera da figura humana. O primeiro  passo é fazer um desenho bem solto, priorizando estes movimento, só  depois coloca-se as formas geométricas, para que se mantenham as  proporções específicas de cada personagem.
[hulk2.jpg]
Acima  o personagem Hulk em sua estrutura de formas geométricas – que ajuda a  manter as proporções características mesmo sendo ele grotesco.
[hulk1.jpg]
[hulk3.jpg][hulk6.jpg]Aqui, o  processo de criação da postura básica e da dinâmica de movimento do  personagem. Em um primeiro momento vemos os processos em separado e  depois a imagem de como o artista executa o trabalho.
[hulk13.jpg]Incluímos  agora as formas geométricas, que vão assegurar as leis de proporção  específicas do personagem em questão.[hulk7.jpg][hulk4.jpg]Finalmente  a definição das formas mais detalhadas do personagem.  E depois, a  figura com formas um pouco mais detalhadas em separado (sem as formas de  construção) para sua visão mais clara da forma final que o personagem  terá.[hulk9.jpg]
Aqui, a  finalização da figura.[hulk5.jpg][hulk12.jpg]
Agora, só de brincadeira, nosso  personagem com sua cor característica!
Todo este processo, embora  você possa achar exagerado ou desnecessário, é importantíssimo para a  manutenção das proporções de qualquer um de seus personagens,  idealizados ou grotescos… tente fazer o exercício!

Materias que ultilizo

O papel que utilizo em meus desenhos são de graduação 180 da Canson, que não e muito liso e não muito rustico o facilita na hora do sombreamento mas fica a seu critério escolher qual sera o melhor para você, os lápis que eu particularmente utilizo são o lápis HB, 2B, 4B, 6B, Esfuminho de nº1, nº3, caneta borracha, borracha plastica, algodão lapiseira 0,5 com grafite 4b, borracha limpa tipos, apontador e estilete.

Dicas para não danificar seu desenho;

  • Evitar o máximo de contato com a folha antes e durante o desenho,
  • Coloque uma folha sulfite sobre o desenho evitando que sua mão toque sobre a folha que esta sendo desenhada,
  • Evitar utilizar os dedos para espalhar o grafite pois o suor dos dedos ira borrar e fazer manchas difíceis de sair ,
  • Utilize a borracha o menos possível e com cuidado não fazendo muita pressão sobre a folha para não danificá-la,
  • Use uma mesa adequada e uma iluminação boa para que não venha a ter problemas futuros.

Este começo confesso que sera um pouco cansativo mas e essencial para que você ganhe domínio e leveza nas mãos .Primeiramente utilizaremos o lápis de graduação 2B que nos possibilita fazer traços leves e fáceis de apagar.Em uma folha sulfite faça círculos o mais redondo possível (sempre segurando no meio do lápis nunca na ponta. Não tenha medo de rabiscar, sempre o mais leve possível sobre a folha ate que ganhe domínio e consiga uma leveza em seus traços, e um circulo quase perfeito.

Não tenha medo de rabiscar, sempre o mais leve possível sobre a folha ate que ganhe domínio e consiga uma leveza em seus traços, e um circulo quase perfeito.

Para o desenho realista sera essencial esses passos pois vá utilizara figuras geométricas para transferir uma foto para o papel e ampliá-la sem que deforme e fuja da simetria do rosto a ser desenhado. Mas a frente abordaremos com mais detalhes o manuseio dos matérias, e passo a passo como fazer o rosto e corpo humano usando figuras geométricas , pois elas serviram como ponto de referencia para que consiga fazer um bom esboço de seu desenho.

Desenhando o corpo

Corpo Humano

No desenho da figura humana, utiliza-se a medida da cabeça como módulo e pode-se dividir em 8 partes iguais (figura nº1), ou seja, a cabeça estabelece uma relação de proporção com tronco e as pernas, logo, o conceito de proporção é o equilíbrio ideal de tamanho entre as partes que compõe um todo.
Não basta somente a proporção para se desenhar um corpo humano com realismo, a simetria também édefundamental importância para que o desenho do corpo humano tenha semelhança entre os lados direito e esquerdo.
De um modo geral, o corpo humano não mantém exatamente as mesmas medidas de um lado e do outro; há pequena diferenças, muitas vezes imperceptíveis quando se olha, mas perceptíveis quando se mede.
No desenho, o eixo de simetria é representado por uma linha vertical que vai da cabeça, passando pelo nariz, até o espaço entre os pés, como mostra a figura nº2.
Figura 1
Figura 2
Volumes e Concavidades: Referem-se às formas do corpo; suas curvas, reentrâncias e relevos. No desenho, são as linhas sinuosas que o representam.
Figura 3
Com os braços abertos, a distancia entre a ponta dos dedos indicadores é igual a altura, da figura total, dos pés à parte superior da cabeça.
Figura 4
  • A altura de 3 cabeças, situa-se o umbigo.
  • A altura de 4 cabeças, situa-se o púbis.
  • A distancia entre os ombros é de 2 módulos.
Você pode iniciar os seus primeiros esboços do corpo humano seguindo essas fases ilustradas na figura abaixo, não esquecendo de iniciar com a proporção, usando a cabeça como seu módulo de medida.
Figura 5
figura 6

A ESTRUTURA MASCULINA E FEMININA

  • O HOMEM é largo de ombros e tem anca estreita;
figura 7
  • A MULHER é estreita de ombros e larga de anca.
Figura 8
DESENHO DO CORPO EM MOVIMENTO
Baseando-se nas figuras anteariores que mostra como se deve desenhar um corpo humano seguindo corretamente suas proporções e simetria na posição ereta, o mesmo ocorrerá para desenhar o corpo humano em outras posições ou dando idéia de movimento como: correr, pular, dançar, etc. Veja os exemplos:
Observe que os bonecos da esquerda são os primeiros esboços. À direita estão as expansões volumétricas dos bonecos.
Voce pode notar que não será necessário retirar os pequenos circulos que representam ombros, cotovelos, mãos, quadris, joelho e calcanhar. Em vez disso vc pode simplesmente conectar as articulçaões.
Como você pode ver esses desenhos assemelham-se aqueles bonecos de madeiras.
Se você poder encontrar um, use-o. Mas sabendo tirar essas configurações de sua mente, sem um boneco na frente de você, você estará em vantagem, pois poderá adquirir habilidade de desenhar mais livremente.
Detalhe: Este método também é bastante útil para configurações de análise de detalhes do corpo, por exemplo: Mãos e pés
Agora observe os exemplos abaixo e tente desenvolver os seus próprios bonecos, iniciando é claro pelos esboços de linhas e pequenos círculos.
VARIAÇÃO DO CORPO HUMANO
Os seres humanos vem de muitas variações. Por exemplo:

  • Um Homem musculoso;
  • Uma Mulher Normal;
  • Um homem gordo;
  • Uma criança.
Para o desenhar o homem eu usei costela + músculo parte superior do trondo.
As vezes é mais fácil de tirar todo o volume antes de desenhar uma caixa torácica.
        Se caso desejar que seus desenhos sejam avaliados, você pode fotografa-los ou scannear e enviar pra meu email leidanogueira@hotmail.com assim que avalia-los retornarei seu desenho.
Depois de muito treino com esses bonequinhos é hora de você ser mais ousado e desenhar modelos reais como modelos de revistas ou modelos vivos, como um amigo, seu irmão, mãe quem quiser posar pra você.
A técnica de desenhar um modelo vivo, é a mesma de bonequinho de madeira, veja o exemplo: